domingo, 20 de março de 2011

O Barulho do Silêncio

Em uma noite como outra qualquer,
abri a porta para o silêncio entrar.
Fiz de sua presença tão ausente minha companhia.
Achei que seria por uma noite,
mas ele decidiu ficar dia após dia.
Na falta das palavras,
descobri que o silêncio me dizia muito mais.
E porque não dizer que gritava?
Louco.Desesperado.
Implorando minha lucidez.
Implorando,claro,calado.
Quando me deito,é quando
posso senti-lo recostar.
Em meu travesseiro,se eu aquietar,
quase posso sentir sua respiração.
Se aproxima,quase que se deita,
na tentativa de tocar meu coração.
Abri minha janela na esperança
que por ela,ele fugisse.
Mas dessa vez,o silêncio falou tão alto
que fez com que eu visse...
Minha face frente ao espelho,
deixando o tempo passar.
E com ele tanta gente,tanto riso,tanto ar.
Silenciosamente,pedi que fosse embora,
pois já conseguira o que queria.
Uma forte ventania veio então quebrar
o silêncio que tanto insistia.
E naquele vendaval eu pude perceber,
que só com a mudança surgiria
a tão sonhada paz que no fundo,eu merecia.


(Luana Martins)

4 comentários:

Thamiris Valente disse...

Parabéns Luanna!!! Muito lindo este poema... envolvente, perfeito. O silêncio fala muito mais do que as palavras e neste poema você mostrou isto claramente. Perfeito! Beijo!

Rita disse...

Lua...
Ouví o silêncio gritar em meu peito nesse momento...Nossa qts saudades. Bj

Betty disse...

O silêncio muitas vezes angustia exatamente pela ausência de... Em geral o silêncio resulta da tristeza. Por outro lado, ele pode simbolizar a presença, a serenidade, a quietude da alma. Que bom que o silêncio que te acompanhava se foi com a ventania, deixando sinais de novos ventos, de mudanças, de vida...

João Bosco JR disse...

Tem uma música com nome parecido que não lembro exatamente qual é... Meus parabéns Lua! Lindas formas de se expressar de forma única, meus parabéns mesmo! Abraços JR.