domingo, 27 de fevereiro de 2011

Serenidade

Recostar à sombra de uma árvore
e sentir a leve brisa me tocar.
Levar minhas mãos ao chão
e agradecer os frutos que a terra me dá.
Mirar o horizonte e saber que ali é o meu lugar.

Olhar o céu azul e encontrar
 a paz que mereço.
Fechar os olhos e ter certeza
que a luz que dá vida a cada olhar,
não tem preço.
Admirar a leveza da borboleta,
esquecendo, mesmo que por segundos,
o peso dos problemas.
Caso contrário,mais rápido envelheço.

De vez em quando,deixar brincar a criança
que em mim,não pode morrer.
Descobrir que pra fazer alguém feliz,
não é justo se permitir sofrer.
Caminhar com cautela,
sem esquecer de também arriscar.
Pois jamais saberá o valor da vitória,
aquele que só aprendeu a ganhar.


(Luana Martins)

2 comentários:

Betty disse...

Lindo seu poema Luana. Ao lê-lo chego a me transportar para este lugar de paz e serenidade. Obrigada por nós brindar com presente tão singelo!

Thamiris Valente disse...

Muito lindo o poema!!! Parabéns!!